Faculdade de Educação da USP lança evento “Criança Viada Travesti na Escola”

COMPARTILHAR

SÃO PAULO – A Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo realizou na segunda-feira, 23, uma roda de “debate” intitulada “Criança Viada Travesti na Escola”.

Conforme a descrição do evento, é necessário que se fale para crianças e adolescentes sobre a possibilidade de “ser e viver fora da cis-heteronorma”.

A organização é do Coletivo Diversidade de Gênero e de Sexualidade FEUSP, e a intenção é falar sobre orientação sexual e identidade de gênero na infância e adolescência em espaços educativos.

Participaram do “debate” o doutor em psicologia social Luís Saraiva, a criadora do canal Voz Trans Magô Tonhon e Mayla Rosa, uma professora de ensino fundamental autodeclarada “feminista interseccional”. Não houve contraditório.

As informações são do ILISP.

 

Advertisements
Anúncios

22 COMENTÁRIOS

  1. Mentes doentias! Faculdade de ignorantes ! Intelectuais ! Sem formação de caráter! Bom senso ou respeito as famílias e crianças! Basta saber um debate sem contraditórios! Por que pra quem não tem argumentos para a barbárie! Não pide ter contraditórios!

  2. Podem querer.Mas terão que enfrentar os pais.Aqui não vão matar a ingenuidade e infância de nossas crianças,para alegria de doentes mentais,obsecados em tirar das crianças sua pureza,seu momento de ser apenas criança mesmo.Vão para o inferno,desajustados mentais.

  3. Olha… talvez o evento tenha até dado um nome errado ou para “atrair” atenção de maneira incisiva e até considero ofensivo, em respeito tão somente à criança.

    Mas se o tema da transexualidade for debatido desde cedo em nossa sociedade… se for encarado como um processo evolutivo da própria humanidade, os futuros transgêneros seriam mais respeitados…algumas de nossas crianças não seriam consideradas “monstros” ou “dementes” ao descobrirem-se trans na juventude…
    Temos inúmeros, inúmeros e inúmeros exemplos de Transfobia… de homicídio a transexuais… de SUICÍDIO de pessoas por não aceitarem sua orientação sexual nem sua orientação de gênero…
    Quantos anos ainda vão ser necessários para a aceitação do que não é “normal” para a retrógrada mente do ser humano, normativamente correto ?

    • Pois é… Primeiro irão aceitar isso e tornar normal.
      Depois pedofilia também será normal e visto como uma evolução da humanidade.
      De evolução nada disso tem… :V

  4. PESSOAL – SOU PAI, AVÔ, TIO, ETC. Para mim falar de assuntos de preferências sexuais e de sexualidade com crianças é pedofilia mental e intelectual, e o adulto que falar estará cometendo pedofilia e estará induzindo e instigando as crianças a fazerem e praticarem atos/condutas e tomarem atitudes que elas ainda não tem em mentes e ainda não estão preparadas para tais condutas e atitudes e estarão sendo induzidas, instigadas e ensinadas precocemente para a vida sexualizada, podendo assim no futuro trazer uma confusão intelectual sexualizada para a pessoa adulta que foi orientada quando era criança na vida sexual dela, e os país, mães e responsáveis não deveram permitirem e aceitarem que façam isto com suas crianças abaixo de 12 anos de idade. Porem falar e orientar os adolescentes a partir dos 12, 13 e 14 anos de idade dependendo dos assuntos a serem discutidos/tratados, e deverá ser com conhecimento, permissão e acompanhamento dos País, Mães, Responsáveis, Conselho tutelar e Juizado de infância e juventude, pois os adolescentes já estão na puberdade e o corpo e a mente dos adolescentes já anseiam e já buscam a terem contatos teóricos e práticos com a vida sexual e necessitam de orientação sexualizada, porem tal orientação deverá ser feita por pessoas responsáveis e preparadas para tais orientações, não podendo tal orientação sexualizada ser ministrada por qualquer pessoa que seja – tem que ser pessoas responsáveis e preparadas para tal orientação sexualizada, na orientação dos adolescentes penso que os País, Mães, Responsáveis, Conselho Tutelar e Juizado de Infância e Juventude deveram acompanharem as aulas orientadoras dentro da ordem, do respeito e da decência necessária para com os adolescentes. esta é a minha opinião. Ok.

  5. Sr. Governador Geraldo Alckmin, a USP é um faculdade estadual mantida com o dinheiro dos impostos do povo do Estado de São Paulo e, portanto, não deveria estar sendo usada por grupelhos esquerdopatas com o intuito de fomentar esta nefasta agenda da ideologia de gênero. Se o senhor pretende disputar a presidência do Brasil deveria estar preocupado com a agenda esquerdopata de destruição da família tradicional que é a grande e esmagadora maioria da nossa sociedade. Eles não permitem o contraditório porque são “ornitorrincos humanos” e não aceitam serem contrariados. Isto meu caro governador chama-se GRAMSCISMO cultural.

  6. Quando as questões não podem ser tratadas sem paixões idiossincrásicas nas escolas, é melhor que elas sejam discutidas e definidas em leis, porque, há uma linha muito tênue entre o certo e o errado, entre o moral e pervertido, e imoralidade e a perversão quando se juntam, prestam só desserviço à sociedade…

  7. Estão falando para seus próprios pares.
    O cidadão de bem nem deve se alterar com isso.
    Quem anda com porcos, farelo come.
    É natural que cultura suas próprias distorções.
    Talvez a questão seja que estão num local financiado por dinheiro público é que deve obedecer a determinadas regras conforme a lei.
    Que os responsáveis sejam julgados caso estejam infligindo a legislação.
    Fora isso, que se afundem em seu próprio esgoto.

  8. kkkkk, vcs são doentes mesmo… Se do outro lado fizessem “Criança princesa, e criança príncipe” seria opressão, não é mesmo? Bando de doente, esse povo esquerdista!

  9. Enquanto isso as as Universidades do exterior fazem pesquisas e contribuem para a Ciência…E as Universidades do Brasil ficam exaltando idéias marxistas e etc…

Deixe uma resposta